Descubra mais sobre a Meteorologia na Maia

Tel: 22 406 21 26 | Email: geral@maiahoje.pt



A grandeza da simplicidade de um Bispo discreto, mas eficaz

A grandeza da simplicidade de um Bispo  discreto, mas eficaz

Opinião de Victor Dias.

Por circunstâncias várias da minha vida, tive a felicidade de privar em vários momentos com o saudoso Senhor Dom António Francisco dos Santos, o meu Bispo, que na passada quarta-feira foi a sepultar.
No nosso primeiro encontro, no Paço Episcopal, o primeiro impacto que teve em mim, a sua singular personalidade, foi precisamente o modo simples e afável como me acolheu, deixando-me completamente à vontade, para que a nossa conversa fosse descontraída e fluída, sem nenhum constrangimento que pudesse advir do facto de estar diante o Pastor da Diocese e eu ser tão somente um dos seus fiéis anónimos.
Naquela nossa primeira conversa, serena e sem pressas, facilmente compreendi que estava diante um homem dotado de uma imensa sabedoria cuja bondade, só lhe permitia demonstrá-la, consoante fosse útil ao nosso diálogo.
Depois desse dia, voltamos a conversar noutras ocasiões, em que ambos estivemos envolvidos por razões diversas, mas igualmente marcadas pelo interesse geral e pelo bem-comum, trocando impressões sobre a missão de servir em causas de solidariedade humana e social.
Numa dessas vezes, o propósito foi o anúncio da conclusão da moderna ala pediátrica do Centro Hospitalar do S. João, mais conhecida por Joãozinho, onde os Pequenos Cantores da Maia estiveram a abrilhantar a cerimónia.
Nesse dia, o Senhor Dom António Francisco, falou-me do especial carinho que nutria por uma obra na qual reconhecia um enorme mérito social, tendo-me lançado o repto de um dia podermos fazer nessa instituição um concerto para as crianças ali acolhidas. Refiro-me à Casa do Castelo, em S. Mamede de Infesta, no concelho vizinho de Matosinhos, onde algumas famílias encontram o apoio adequado e algumas condições para acompanhar os seus filhos, na fase terminal de vidas prematuramente ceifadas por doenças oncológicas.
Esse tema foi recorrente em todas as conversas que tivemos e ficou implícito que logo que possível, esse seu desejo haveria de realizar-se e com a presença do Bispo do Porto, que era visita da Casa, sempre que tinha disponibilidade ou pretexto.
Neste cruzar dos caminhos da vida, vou guardar sempre, do Senhor Dom António Francisco, a memória de um homem bom, muito simples, de linguagem suave na forma e no conteúdo, mas totalmente eficaz na sua missão de chamar as pessoas a uma prática concreta de vida, alicerçada na partilha e na fraternidade solidária.
Foi isso que eu senti e é esse o testemunho que quero dar, esperando que em sua memória, possa concretizar o seu desejo de levar alguns momentos de desanuviamento e partilha às crianças e famílias que a Casa do Castelo acolhe.

 

21-Sep-2017 às 16:34, Ana Sofia Silva

Escreva um comentário

O dilema do PSD é ter gratidão a Passos Coelho e ficar neste marasmo O dilema do PSD é ter gratidão a Passos Coelho e ficar neste marasmo

Opinião de Joaquim Jorge.

Continuar a ler »