Descubra mais sobre a Meteorologia na Maia

Tel: 22 406 21 26 | Email: geral@maiahoje.pt



O Espírito da Montanha e os Santuários dos Altos

O Espírito da Montanha e os Santuários dos Altos

No dia 21 de maio, o clube UNESCO da Maia, em parceria com a Comissão de Festas de Nossa Senhora do Bom Despacho, levou a cabo uma conferência sobre: O Espírito da Montanha e os Santuários dos Altos.

Foram palestrantes Domingos Jorge, pároco da Maia e três membros do Clube, a saber, Raúl da Cunha e Silva, presidente; Adalberto Costa, Vice-presidente e Pedro Pereira, associado. Moderou a sessão Lourdes Graça, membro da direcção do Clube.
A abertura da sessão efectuou-se no Santuário de Nossa Senhora do Bom Despacho, após a missa dominical pelo pároco da freguesia, que sublinhou a importância deste evento no período mariano que Portugal está a viver.

A sessão prosseguiu no anfiteatro do Lar de Nazaré.

Registamos as sínteses das comunicações proferidas onde Raul da Cunha e Silva começou por citar a célebre frase de S. Mateus: “A fé move montanhas (mat. 17.20)”, acrescentando o orador que as montanhas têm grande influência nos vários credos e culturas a nível mundial. Registou ainda a frase de S. Paulo aos Colossenses “Procurai as coisas do alto….”. Estruturou a sua comunicação na crença no Sagrado, pela simbologia da Montanha. Concretizou a sua mensagem com apresentação de inúmeros Santuários dos Altos, em diversas partes do Mundo. Sublinhou a importância da montanha na componente espiritual e cultural inerentes à existência do Homem. Mencionou que “Quanto mais alto se sobe, mais longe se vê”.
Pedro Pereira desenvolveu o tema: “Dinâmicas Religiosas e Culturais do Culto Mariano em Portugal”. Na sua comunicação, particularizou o movimento intenso de turistas, viajantes e crentes rumo ao Santuário de Fátima, o magnetismo devocional Mariano. Falou de alguns estudos que fez no âmbito do seu trabalho como antropólogo, teceu algumas considerações, fruto de estudos antropológicos, documentados na observação diretas das recentes peregrinações a Fátima.
Por sua vez, Adalberto Costa, após uma abordagem geral do culto dos Santuários da Montanha em diversas civilizações, dentro da simbologia da montanha “no pico da montanha, o lugar mais próximo de Deus…”, “o espaço visível de Deus invisível”, falou de alguns Santuários em Portugal: Santa Luzia, Santuário da Penha, Santuário de Fátima. Traçou uma breve e interessante resenha histórica sobre as aparições e o desejo da Senhora de se construir um santuário no local, o que, de facto, aconteceu.
Em jeito de conclusão poderemos sublinhar que se viveu um momento que ultrapassou de longe a aprendizagem de conceitos, antes uma reflexão de partilha entre o Sagrado e o Profano.
Da parte da tarde, os trabalhos iniciaram-se com uma visita comentada a todas as igrejas do concelho da Maia que têm como orago Maria. Começando no santuário Mariano de Nossa Senhora do Bom Despacho, seguiu-se viajem para a Igreja de Santa Maria, em Vila Nova da Telha; Igreja de Santa Maria, em Avioso; a Igreja de Santa Maria, em Silva Escura; Igreja de Santa Maria, em Nogueira; Igreja de Nossa Senhora da Natividade, em Pedrouços; Igreja de Nossa Senhora de Guadalupe e Igreja de Nossa Senhora do Ó, em Águas Santas e Igreja de Nossa Senhora da Maia, na Maia.
Foi um dia decerto enriquecedor  para todos os que o viveram.

Da Maia a Baião com 
Eça de Queiroz

No passado dia 27 de maio, 22 associados do Clube Unesco da Maia iniciaram uma viagem cultural a Baião. 
A terra de Baião é de fundação Sueva. Em 985 foram concedidas pelo rei de Castela a D. Arnaldo – trisavô de Egas Moniz, pela sua bravura no combate contra os Mouros.  Baião recebeu foral de D. Manuel I no ano de 1513.
A viagem foi iniciada com a leitura de alguns textos que mostraram aos participantes, a estreita ligação de Eça de Queiroz a Luís de Magalhães e à quinta do Mosteiro em Moreira da Maia.
Ao entrar em Baião, concelho com a maior percentagem de área verde e floresta do distrito do Porto e de paisagens naturais de grande beleza, rumaram a Ancede para visitar o seu mosteiro e a Capela de Nosso Senhor do Bom Despacho.
O mosteiro foi fundado pelos cónegos Regrantes de Santo Agostinho no século XII. Em 1560 passou a depender do Mosteiro de S. Domingos de Lisboa. No couto do mosteiro produzia-se muito vinho de qualidade que era exportado e com os proventos enriquecia-se o património monacal. Com o desenrolar dos tempos o Mosteiro foi-se degradando. Desde 1985 pertence à Câmara Municipal que o tem vindo a restaurar.
A Capela de Nosso Senhor do Bom Despacho data de 1735. Foi mandada construir pelos Dominicanos. Tem um altar-mor e seis laterais com representações da vida de Cristo. É uma obra de enorme beleza e repositório de imagens. A viagem continuou por Aregos em direcção a Santa Cruz do Douro, passando por sinaleiras que indicavam o percurso do Caminho do Jacinto até à Quinta de Vila Nova a que Eça deu o nome de casa de Tormes. Pelas 13h chegaram ao restaurante da Fundação Eça de Queiroz onde foi servido o almoço com a ementa que os caseiros da Quinta prepararam para o escritor: Canja de galinha, arroz de favas com galinha corada e creme de água. Seguiu-se a visita à Casa que está bem cuidada e onde se fica a conhecer um pouco melhor este grande escritor, a sua família e esta linda terra. Depois da visita a Tormes seguiram viagem para a sede do Concelho onde descansaram algum tempo e depois subiram até à entrada do Conjunto Megalítico da Serra de Aboboreira, considerado um dos maiores existentes em território Português.
Aqui e dado estar a cair o denso nevoeiro característico dos 800 m de altitude, foi só possível visitar a Anta de Chã de Parada. Pelo caminho e lá no alto avistaram um santuário de montanha: a capela da Senhora da Guia.
Regressaram à Maia pelas 20 horas, cansados, mas satisfeitos e reconhecendo que, como diz Eça de Queiroz, esta terra é “serra tão acolhedora, serra de fartura e de paz, serra bendita entre as serras”

Colaboração de Liliana Aguiar e Lourdes Graça

06-Jun-2017 às 17:53, Ana Sofia Silva

Escreva um comentário

Urbanização da Alameda da Aldeia Nova com intervenção programada para este ano Urbanização da Alameda da Aldeia Nova com intervenção programada para e...

Moradores preocupados com falta de manutenção.

Continuar a ler »